Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre o Aqui e o Ali..

A vida faz-nos querer estar em muitos sítios. Ansiamos por amanhã mas desejamos ser ainda ontem.. Queremos ficar aqui mas ao mesmo tempo que sonhamos já estar ali... É a incerteza que nos conduz pela estrada, cheia de curvas, até ao futuro!!

Entre o Aqui e o Ali..

A vida faz-nos querer estar em muitos sítios. Ansiamos por amanhã mas desejamos ser ainda ontem.. Queremos ficar aqui mas ao mesmo tempo que sonhamos já estar ali... É a incerteza que nos conduz pela estrada, cheia de curvas, até ao futuro!!

Viagem(s)

 

 

 

Sempre tive uma paixão estranha pelo aeroporto de Lisboa. Não que lá tivesse passado muito tempo (o que não era o caso), mas desde pequena que cada vez que me encontrava lá dentro sentia-me com uma alegria do outro mundo. Talvez por a curiosidade do que acontecia para lá daquelas portas ser imensa; ou por nunca ter entrado num avião; ou por achar que todo aquele mundo era coisa de adultos, e que também eu queria ser adulta para poder passar para o lado de lá, onde as pessoas entravam com as malas e de repente desapareciam.

A primeira vez que andei de avião foi no 9º ano. Visita de estudo/viagem de finalistas a Londres. Estava em êxtase completo. Nessa noite nem dormi, tal não era a ansiedade de finalmente perceber quais os caminhos que todas aquelas pessoas, que via quando levava o tio ao aeroporto, atravessavam. Essa viagem fez com que ficasse a adorar cada vez mais o mundo dos aviões.

Certa altura da infância comentava com os mais curiosos sobre o meu futuro "quero ser hospedeira e andar o dia inteiro de avião, mas também gostava de ser professora de matemática". Quis o destino que nem uma coisa nem outra se tenha atravessado no meu caminho até então.

 

Estive muitos anos afastada do circuito do aeroporto. Secundário, faculdade e finalmente primeiro emprego. E foi através deste emprego que voltei a entrar naquele mundo que tanto me fazia sorrir, e sentir crescida. Não que fosse viajar, pois não ia. Mas ia colocar o meu amor num pássaro gigante, que só o iria trazer 2 meses depois.

Nesse dia não sorri. Não me senti crescida, pelo contrário, queria ser criança para que não tivesse que passar por aquilo. Dois meses em Angola é imenso tempo, quer para quem vai, quer para quem fica! Nesse dia chorei e acabei doente. Costumo brincar dizendo que tive uma gripe de desgosto, com direito a febre e tudo mais. Desde esse altura as idas aquele espaço, onde gigantes dos céus me levavam a minha metade da laranja, eram muito mais frequentes. Angola, Madeira, Londres, sendo que a todas houve direito a repetição. Agora a minha alma gémea, num outro emprego, com uma outra função, também viaja com bastante regularidade. E hoje houve mais uma viagem direito a Lille (França), onde tinha estado no final do ano passado.

Novamente hoje eu saí de lá, não com um sorriso, mas com uma pequena lágrima. Não que sejam dois meses, são apenas dois dias. Mas ver partir aquele que nos aquece o coração, deixa sempre uma tristeza cá dentro. Seja por dois meses; dois dias ou apenas duas horas.


1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.