Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre o Aqui e o Ali..

A vida faz-nos querer estar em muitos sítios. Ansiamos por amanhã mas desejamos ser ainda ontem.. Queremos ficar aqui mas ao mesmo tempo que sonhamos já estar ali... É a incerteza que nos conduz pela estrada, cheia de curvas, até ao futuro!!

Entre o Aqui e o Ali..

A vida faz-nos querer estar em muitos sítios. Ansiamos por amanhã mas desejamos ser ainda ontem.. Queremos ficar aqui mas ao mesmo tempo que sonhamos já estar ali... É a incerteza que nos conduz pela estrada, cheia de curvas, até ao futuro!!

Café das velhas

 

 

....há poucas coisas que nos aquecem por dentro tão bem como uma bela chávena de café "das velhas" (ou de cafeteira) e uns bolinhos de canela.

Humm, que eu só aqui tenho o café e já estou a salivar pelos bolinhos......

Zen

aqui tinha falado sobre as massagens. Certo é, que após aquela maravilha, nunca mais tive oportunidade de fazer uma outra. Falta de tempo (às vezes); falta de dinheiro (muitas vezes); falta de iniciativa para (quase sempre). Mas ainda bem que alguns amigos/familiares se lembram de mim de vez em quando e me presenteiam com este tipo de momentos especiais.

A massagem foi-me oferecida no ano passado. Fiquei entusiasmadíssima mas por razões alheias à minha vontade o tempo foi passando e entretanto fiquei grávida. Ainda perguntei no centro de SPA, mas disseram-me que era preferível deixar para depois do bebé nascer. Assim fiz e só agora, quase 8 meses depois fui utilizar a minha massagem. 

Já toda a gente ouviu falar de massagens com pedras quentes e com toda a certeza imensa gente já experimentou as mesmas - excepto eu até ao dia de hoje. Ora e o que podemos dizer sobre elas? O benefícios da massagem de pedras quentes inclui: alivio de stress, liberta toxinas, alivia a dor, melhora a circulação e acalma a parte psicológica. Melhor, são divinais.. O quente, o conforto, o relaxamento, a música, o óleo, tudo isto misturado com a massagem assim consegue-nos levar para outra dimensão. 

No meu caso eu diria - quase conseguiu. É que tendo o coração fora do corpo, a minha mente de recém-mamã não conseguiu recolher ao silêncio obrigatório, e mesmo já "lá longe" no relaxamento houve sempre aquela vozinha, aquela imagem do meu mais-que-tudo que não me permitia flutuar por uns segundos.

Mas que sabe divinalmente bem, ah isso sabe. Vim de lá com uma vontade extrema de me enfiar debaixo dos lençóis e dormir até amanhã. Mas eis que um "ehh ehh ehh" chama a minha atenção e me deixa de coração cheio.

Hummm, acho que o melhor é ir já de seguida utilizar o outro voucher que ali tenho, que me dizem?

Na gravidez

Não posso dizer que tive uma gravidez muito complicada (nervosa talvez), excepto na parte final. Tirando a queda das escadas às 21 semanas e a azia desde muito cedo, até às 36semanas nunca tive problemas de maior. Mas o aproximar das 37 semanas trouxe-me a minha maior preocupação.

A comichão no corpo já me atacava nos últimos dias, mas na consulta de rotina tinham-me dito que era normal na gravidez: o aumento do volume sanguíneo, a circulação mais condicionada devido ao aproximar do final da gravidez poderiam levar-me a ter esses sintomas. Mas num domingo, após um passeio no fim de tarde na praia e durante o banho eis que as comecei a ver: bolhas (não eram borbulhas) de água no peito e muitas bem pequeninas dando o aspecto de uma erupção cutânea. Não pensei duas vezes e corri para o HSB - Urgências Obstétricas. Foi aqui o início de toda uma aventura. Iniciaram o procedimento habitual - triagem com a enfermeira, CTG e observação pelo médico. Mostrei as bolhas, medi a tensão, verificaram a temperatura, fiz CTG, fizeram-me o toque e foi aí que me pareceu que comecei a falar sozinha. Diagnóstico médico: pode ir para casa andar que ainda está atrasado; Dr. eu não vim cá com dores, eu vim cá devido a estas bolhas; Ah, isso é prurido gestacional, toda a grávida tem, tome banho com oleoban que isso melhora. Voltei para casa.

Não melhorou. No dia seguinte a proporção das bolhas tinha aumentado consideravelmente. Voltei ao HSB. Cheguei e o mesmo procedimento. Na triagem informei a enfermeira que já lá tinha estado no dia anterior e que o meu problema não era resolvido com CTG e toque's. Simpática, ela referiu que o CTG até convinha fazer para ver a movimentação do bebé, depois eu falava com o médico sobre o resto. Observação e repeti a mesma história. E ele disse-me: Vamos fazer umas análises e ver se o fígado está a trabalhar bem, pois podemos estar na presença de uma colestase gravídica (hãã??). Dizem-me por alto que, caso os valores estejam alterados, teríamos de antecipar o parto. Com os resultados, apesar de o valor estar ligeiramente alterado, não era justificação para todo aquele panorama que o meu corpo representava. Novo toque. Novamente para casa. Se me sentísse pior era para voltar. Nessa noite já não consegui dormir na cama. Lembro-me de tomar banho 3 vezes nessa noite e na noite seguinte. As dores na pele eram imensas, as bolhas cada vez maior, cada vez em maior número, espalhadas por todo o corpo - mãos, braços, tronco, cara, pescoço, o único sítio onde não havia era nas pernas e nos pés, a preocupação com o meu mais pequenino que estava cá dentro - e se o tiverem que tirar? Só tem 37 semanas. E se for grave? 

No dia seguinte disse passei no centro de saúde para a médica de família me ver - V. voltas já para lá, eles têm que te ver em condições, fazer análises, vigiar o bebé, assim é que não podes continuar pois apesar de todas estas bolhas darem a entender que é varicela, não têm o aspecto nem as características de uma varicela. E assim fui, pela 3ª vez para o HSB, para o mesmo procedimento. Mas desta vez, quando fui observada pela médica de serviço disse: não venho cá para me fazer toque's e não me vai fazer nenhum. Há 3 dias que venho para o hospital, não me dizem o que tenho e mandam-me para casa sem qualquer tipo de informação ou medicação. A médica percebeu o meu estado, fez-me mais análises - a tudo e mais um par de botas inclusíve aos anti-corpos da varicela - e mandou-me aguardar. Eram 22h quando nesse dia saí do hospital com os resultados das análises ligeiramente alterados (eu tinha algo a desencadear-me uma infeccção) mas nada de preocupante e os anti-corpos negativos (sabe V. esta análise só nos diz se você tem os anti-corpos, não nos diz se o que você tem é varicela ou não - boa! - mas vou tentar marcar-lhe uma consulta com o dermatologista para ele a ver!). No dia seguinte fui ao dermatologista no HOSPOR (se não ainda hoje estava à espera da consulta que a Drª me ia marcar) e o espanto da médica foi tal que chamou os companheiros de serviço - V. eu penso que isto seja um herpes gestacional, raramente vimos esta situação e tenho quase toda a certeza em como não é varicela. Leva uma receita de anti-estamínico e pergunta na sua obstetra se pode tomar isto por causa do bebé. E voltei para casa.

Essa noite foi passada sentada na beirinha da cadeira com os cotovelos em cima da mesa da cozinha. Só os cotovelos. E as palmas das mãos a segurarem a cabeça. Foi a pior noite. Mas no dia seguinte consegui dormir de manhã. Fiquei por casa, acredito que na esperança que tudo aquilo passasse ou que fosse apenas um sonho mau.

6º dia da saga e voltei ao HSB, mas antes já tinha feito novamente análises com a médica de família que após os resultados mandou-me novamente para o sítio onde ela achava que nunca devia ter saído. Pensei que em primeiro lugar deveria ir ter com a obstetra para ela me ver. Levei as análises e ela atendeu-me e disse-me que para além de os valores das análises não terem alterações relevantes, todo o meu panorama corporal indicava uma varicela atípica, que por sinal já se encontrava na fase de secagem das bolhas. Contudo, ela ligou para o HSB e pediu que chamassem um médico do departamento das doenças infecto-contagiosas para que ele me podesse avaliar. Pela última vez nessa semana entrei no HSB. Nova triagem. Novo CTG. Não houve toque. Sim, porque pela primeira vez nessa semana, era quase certo que o meu diagnóstico era varicela e a partir desse momento, mesmo já tendo passado a fase de incubação, o meu pequeno príncipe não poderia nascer. E aguentámos assim o retrocesso da varicela até às 40semanas. 

Prurido Gestacional. Colestase Gravídica. Herpes Gestacional. Afinal, era simplesmente Varicela (pura, dura, muito forte e com uma dimensão gigantesca).

Hoje não tenho estrias que me relembrem que por mim passou uma gravidez, tenho sim as marcas de cada uma das bolhas que me encheram o corpo. 

Feliz Natal e um Excelente 2013

Faz tempo que não venho aqui! Certo é que a vida tem tomado caminhos demasiado dolorosos, daqueles que nos ferem por dentro. Que deixam marcas tão profundas, que nem mesmo um diário de desabafo diminui a intensidade com que sentimos a dor. E vir aqui faz lembrar muito desse sentimento doloroso, causado por tantas decisões erradas.

Faz tempo que queria vir aqui. Sentir um canto só meu. Escrever o que sinto vá dentro e que me permanece no cérebro. Escrever pensamentos positivos, com a esperança de que ao serem lidos tantas vezes, me fizessem acreditar que é mesmo possível ser positiva...

Mas os dedos não deixavam, como que sentissem que o coração iria sofrer mais.

Hoje passados tantos meses, em vésperas de Natal, decidi passar por cá. 

O Natal traz o melhor de cada um ao de cima. A alegria entra em casa acompanhada pelos sorrisos, o carinho e o amor. Sente-se um clima de paz e deseja-se que estes sentimentos durem para sempre e que não haja nada que nos perturbe!! Este Natal desejo que TODOS no mundo, em especial os que amo intensamente, tenham o conforto dos sorrisos, dos abraços e do amor, sempre com muita saúde. 

Em relação ao próximo ano, espero que o número 13 nos traga muita sorte a todos, e que todos os sonhos que idealizamos se tornem realidade. 


A todos vós,

Feliz Natal e Um óptimo 2013 

 

 

 

Corrida Sempre Mulher

Dado que nos estamos a aventurar no mundo das corridas, nada melhor que participar na corrida Sempre Mulher.

 

Correr por uma causa. Correr pela ajuda ao combate do cancro da Mama.

 

E nós estivemos lá. E a S. também. E fizemos uma óptima prova. E foi lindo de se ver.

 

E o meu principe esteve lá, de garrafa na mão, sempre à minha espera {#emotions_dlg.heart}

 

 

Não é o embrulho que conta..

Hoje alguém me dizia: "V. Não é o embrulho que conta, mas sim o que vai lá dentro. E o que tem aí dentro é muito mais importante que aquilo que você acha sobre o embrulho."

 

E eu sorri. Percebi a mensagem, mas é difícil aceitá-la como verdade inequívoca. O certo é que para a balança o que conta é o embrulho. E esse embrulho está cada vez pior..

Verdadinha

Nesta semana, numa das msg que recebi, soltei uma gargalhada. O certo é que o tema nela inscrito é algo que sempre me afecta, me faz pensar, me deixa triste... Mas esta msg fez-me rir a valer. Talvez pelo stress da semana, até pela pessoa que a mandou e ainda por ser sempre um dos temas de preferência dela durante a hora de almoço.

 

" Pergunta feminina: Será que me podem dizer por que raio fazemos dieta? Afinal, a baleia só bebe água, só come peixe, faz natação o dia toso e é gorda! O elefante só come verdura e é tão gordo! Viva a batata frita e a coca-cola! Tu, mulher bonita, tens pneus? Lógico.. Todos os aviões têm!!"

 

Cá está.. E mais não digo que ainda estou em modo de recuperação de folgo.. Finalmente alguém que me entenda..

E já que é para ser um avião, que seja da Qatar Airways que é o que está na moda!

 

E tenho dito..

Inspira e Expira

 

 

 

E há coisa pior que passar uma manhã inteira prolongada até ao almoço dentro de um hospital (mesmo que seja o Hospital da Luz que é todo XPTO, cheio de "minha senhora faça favor", "minha senhora piso 0"), a fazer análises, exames e mais exames??

 

Sim há.. É ter que voltar lá sábado novamente porque não as análises não foram todas feitas...

 

"Patience is a virtue" - Já diziam os antigos, e eu estou concentrada nessa paciência toda que há-de chegar por obra divina de modo a conseguir aguentar uma nova manhã. Eu sou uma resistente..


 

 

 

 

Ps: Dado que nem tudo é mau, a parte boa da dita manhã foi que tive sempre ao meu lado aquele que me aquece o coração todos os dias {#emotions_dlg.heart}

Do lado errado da porta!

E alguém já se viu sentada no chão..

 

Em cima do tapete de entrada..

 

Da entrada da própria casa..

 

Sem conseguir passar para o lado certo da porta..

 

Porque simplesmente não tem chave?

 

Nem queiram.. É assim que estou e não é propriamente confortável..